EnglishFrançaisPortuguês

Início :: Occulti :: Anjos IV

Mas o que veem estes olhos que não saberíamos ver?
Para quais espaços oníricos ou íntimos se tornam?
De quais outros lugares são testemunhas?

  • Mas o que veem estes olhos que não saberíamos ver?

    Mas o que veem estes olhos que não saberíamos ver?

  • Para quais espaços oníricos ou íntimos se tornam?De quais outros lugares são testemunhas?

    Para quais espaços oníricos ou íntimos se tornam?
    De quais outros lugares são testemunhas?

  • E querem fazê-nos crer que os anjos não tenham sexo? Que tal então destas poses lânguidas, destes pulsos tão delicados,

    E querem fazê-nos crer que os anjos não tenham sexo?
    Que tal então destas poses lânguidas, destes pulsos tão delicados,

  • destas caras e destes olhares tão suaves, destes movimentos tão sensuais,

    destas caras e destes olhares tão suaves, destes movimentos tão sensuais,

  • destas pernas que se destapam,

    destas pernas que se destapam,

  • destas formas tão carnais sob estes véus leves?

    destas formas tão carnais sob estes véus leves?

  • Ah, sentir bater este coração, captar uma chispa nestes olhos que não seja minha, ver enfim estes braços que se estendem atingirem o seu alvo,

    Ah, sentir bater este coração, captar uma chispa nestes olhos que não seja minha, ver enfim estes braços que se estendem atingirem o seu alvo,

  • aceitar estas rosas que me oferecem, sentir estes dedos apertar-se nos meus…

    aceitar estas rosas que me oferecem, sentir estes dedos apertar-se nos meus…

  • E desambaraçar-me destas carícias castos nestes rostos metálicos com um tato estranhamente suave que só me refletem a calor que os meus dedos insuflam neles…

    E desambaraçar-me destas carícias castos nestes rostos metálicos com um tato estranhamente suave que só me refletem a calor que os meus dedos insuflam neles…

  • E porque não sentir o vento destas asas poderosamente imóveis,

    E porque não sentir o vento destas asas poderosamente imóveis,

  • a suavidade destas penas que tremem à espera do voo, e este voo, majestoso, irreal de facilidade,

    a suavidade destas penas que tremem à espera do voo,
    e este voo, majestoso, irreal de facilidade,

  • que me levaria longe deste mundo funesto onde esta ampulheta não seria um símbolo de nada.

    que me levaria longe deste mundo funesto
    onde esta ampulheta não seria um símbolo de nada.

Lugar: Montreal (Canadá)
Ano: 2004